Cuidados a ter

Algumas espécies de medusa podem picar, injetando veneno e causando reações locais e, no caso da caravela portuguesa, efeitos sistémicos ocasionais. Estas espécies têm células chamadas cnidócitos usadas para alimentação e defesa, que são como minúsculas seringas que injetam substâncias tóxicas por contacto com outros animais. Os cnidócitos encontram se essencialmente nos tentáculos. No caso dos humanos, o nível de toxicidade depende da espécie e da quantidade de veneno injetada. Os cnidócitos permanecem ativos mesmo quando os animais estão mortos na areia da praia. A maioria dos contactos é acidental e ocorrem na praia. Por isso, é importante que os frequentadores das praias evitem tocar nos organismos arrojados especialmente nos tentáculos.

O que fazer

Lave a zona afetada com água do mar, sem esfregar

Remova com uma pinça ou raspe com um cartão de plástico (cartão bancário, carta de condução, passe, etc) os possíveis vestígios do organismo que possam estar na pele

O que não fazer

Não usar água doce, vinagre*, álcool, ou amónia

Não usar ligaduras ou pensos rápidos

* com exceção do caso de contacto com caravela portuguesa


No caso de contacto com caravela portuguesa

Após lavar e limpar com água do mar a zona afetada:

  • Aplicar compressas quentes (40º C) durante cerca de 20 minutos ou,
  • Aplicar vinagre sem diluir
  • Se estiver em choque, com dificuldades em respirar ou a dor persistir, consulte o seu médico ou farmacêutico
foto Maria Pinto

No caso de contacto com medusa ou água viva

Após lavar e limpar com água do mar a zona afetada:

  • Aplicar compressas de gelo durante cerca de 15 minutos
  • Se a dor persistir, consulte o seu médico ou farmacêutico
foto Paulo B. Oliveira
foto Paulo Vasconcelos